Poetisas portuguesas/Portuguese Women Poets

(Translation Project)
Ode to Peace (1/30 Portuguese Women Poets)

For the truth, for the laughter, for the light, for the beauty,
For the birds flying in the eyes of a child,
For the cleansing wind, for the acts of purity,
For the joy, for the wine, for the music, for the dance,
For the soft melody of the sound of streams,

For the glow of summer, for the blue of the clear day,
For the flowers that enamel the fields, for the quiet of pastures,
For the accuracy of roses, for the wisdom,
For the pearls that drip from the eyes of lovers,
For the wonders that are true in dreams,
For love, for freedom, for the radiant things,
For the ripe aromas of mild autumns,
For the future morning of the large transparent,
For the maternal and fruitful insides of the earth,
For the tears of mothers to whom bloody clouds
Snatched children for the ugliness of war,
I conjure thee O peace, I invoke thee O benign,
O saint, O talisman against the fierce industry.
With your hands that slaughter the flags of wrath,
With your exorcism of the bomb and the executioner,
Open the doors of History,
let life go by!

by Natália Correia 
in "Unpublished Work (1985/1990)"


To Be a Poet (2/30 Portuguese Women Poets)

To be a poet is to be higher, is to be bigger
Than Men! To bite as if you were kissing!
It’s to be a beggar and to give as
The King of the Kingdom Within and Beyond Pain!

It’s to have the splendor of a thousand wishes
And not even know what to wish for!
It’s to have inside a burning star,
It’s to have the claws and wings of a condor!

It’s to be hungry, to be thirsty for Infinity!
For elm, the mornings of gold and satin…
It’s to condense the world in just one cry!

And it’s to love you, like this, desperately…
It’s having you as the soul, and blood, and life in me
And saying it, singing to everyone!

by Florbela Espanca
in "Charneca em Flor"


Sad Fate (3/30 Portuguese Women Poets)

I adorn myself with crystalline dreams 
With the colors of a candid yearning 
I sink my closed eyes 
In the murky waters, where I lie.

It is running from me, that I stay 
In a stillness of a swallow 
That searches for its nest ... 
As if it were lost.

Who draw my destiny?

I don’t know why I devour myself 
With the greedy eloquence 
Of someone that self-mutilates! 
What sadness stones me?

I do not want anyone to see me 
Nor someone to find me 
While I’m lost... 
It's the dark that illuminates me!

Have I lost shelter?

I am tired of looking for me 
Like that… like someone who stumbles 
On a slippery quagmire 
I will never stop dreaming...

That is my sad fate!

by Vóny Ferreira


Motherland (4/30 Portuguese Women Poets)

Pulled by the head, in the reverse
of what we had rehearsed, seams
scraped and mended in an attempt to
expel a country in flames where the
Technocrat tenderly governs, roars and spits.

By the purple clearing, the same ones write the
same words in the same newspapers. Fatherland,
hypocritical bitch, why do you talk about me behind my back?
I bought the return ticket by mistake.

by Susana Araújo
in Dívida Soberana


Pirate (5/30 Portuguese Women Poets)

I'm the only man aboard my boat.
The others are monsters who do not speak,
Tigers and bears I tied to the paddles,
And my disdain reigns over the sea.

I like to howl in the wind with the masts
And to open up myself on the breeze with the sails,
And there are moments that are almost oblivion
In an immense sweetness of the return.

My homeland is where the wind blows,
My beloved is where rosebushes bloom,
My desire is the trail left being by birds,
And I never wake up from this dream and I never sleep.

by Sophia de Mello Breyner


Catachresis (6/30 Portuguese Women Poets)


I come to bathe
and I move through the waters as one moves
through sorrows. I never take
a long time to get out.
I found exiled birds
who told me their sorrows.
–Look at my children!
(I say)
Already carrying the new Universe
an album of foreign trading cards.
And they know all the heroes
that no one knows yet.

by Ana Clara Mendes Pinto
in REVISTA ARAUTO N.1, 1985, p. 16-19


Ordinary Portuguese (7/30 Portuguese Women Poets)

My cat allows himself to stay
home, airing the dish
and the sandbox. He no longer goes
with his tail held high to challenge the domain
of the pretentious breeds, by the
yards that remain. My cat
is an ordinary Portuguese one, a tiger
pet that knows how to hunt rats and
bare teeth at despotic orders. But
he has given up everything, from the night rallies
in the back to the sovereign contempt
for the canned food, for the veterinary
mercantilism or for the subservience of dogs
in the neighborhood. I have already spoken of this cat
in another poem and of his seafaring 
genealogy, embarked in ancient
vessels. If you want to find out, read
that poem, in a book certainly difficult
to find. And who today looks for 
books of poems? I still look,
in the eyes of my cat, for the
better days of April.

by Inês Lourenço
in "Logros Consentidos"


Secret (8/30 Portuguese Women Poets)

Do not tell of my
dress
that I take off over my head

nor that I shut the
curtains
for a thicker shade

Let me close
the ring
around your neck
with my long
legs
and the shadow of my well

Do not tell of my
ball
nor of the spinning wheel

nor what I do 
with them
in order to hear you scream

by Maria Teresa Horta


UNHELL II (9/30 Portuguese Women Poets)

Were the mountain to fall and the glow golden 
The sweet garden to abolish the flower 
The mother to unshred the child’s meat 
Were love made through the button of a video

Were the book to die, the work to stop 
Were hail to sound like joy 
Were the air door to draft proof
and I of love alone would resurrect

by Luiza Neto Jorge


How can I tell you? (10/30 Portuguese Women Poets)

It bothers me the lucidity of certain hours.
How can I tell you? Everything about them is perfect,
and clear and unshakable ... even the pain!

The accommodation to reality
starts to sneakily climb up the body
of dreams and desires. It kills them!

It is dangerous to live unarmed
in the lucidity of hours.
When least expected, one dies!

I want my lantern always on,
To go with it to the inexpressible quietness
that precedes a storm;

To listen to the distressed breathing of the world
between two thunders, two wars, two shouts,
separated only by a thread;

An imprecise space, the thread, between the one and the two
A space that, by ignorance only,
we call silence.

by Lídia Borges


Sadden smiles (11/30 Portuguese Women Poets)

With the heart tied inside the mouth 
They do not know how to say 
That in the hands, perhaps we could still fit the green of the hills
And in the eyes, the reason for all springs 
But the bloodless voice is a ridge, a trail 
Of hot saliva in sour dust 
And syllables are ruins of setting gazes

Languish on the ground, the smiles 
On the street we can only find 
Immense deserts of words.

by Maria João Martins


The Running in Circles (12/30 Portuguese Women Poets)

I
The circle is the chosen form:
It's egg, it’s zero,
It's cycle, it’s science.
And all wisdom.

It’s what is done,
Perfect and determined,
It’s what begins
In what is finished.

II
The journey that my being undertakes 
Starts in me,
And outside of me,
Yet clings to me.

The most dangerous trail
In us concluding,
We spend existence
A thousand concentric circles
Drawing.

by Ana Hatherly
 in "As aparências", 1959


Do not disturb me (13/30 Portuguese Women Poets)

Do not disturb me.

I want to lay my chest on the lap of the earth

descend in a cocoon of light hovering like mist
in the quiet and fragrant shrubberies of the mountain.

And do not disturb my silence
that sleeps on the leaves of my hands.

In the sleeping child in me
are footprints in the presence of silences,
in the dialogues and gestures written in the polished sand
of my words.
And do not disturb my silence
that sleeps on the leaves of my hands.
Do not disturb these leaves that surround my body
populating this soul with music that nobody hears.
I want no miscellanies in my sunset.
I want to grow eyes in mouths of joy.
Let me be a child, wear this fantasy again.

And do not disturb my dream.
I want to put the night to sleep to fool the moon
to slay this past in the restlessness
of this
naked
flame

by Manuela Barroso 
in "Eu poético"


time (14/30 Portuguese Women Poets)

Time is a volatile, aloof and soft substance
Calm and unexpected, which empties and fills like a balloon or a bellows
A vague, unbalanced and interlaced substance, with a fickle soul
That dissipates and flows at any moment

Thus, it moves away from me, if I look for it
Touchs me and takes over me, if I get tired of it and say goodbye
Clings to me and intertwines itself to me when I run away
Winds me up and involves me with love when I do not ask

Time is everything that is urgent when it abounds
Everything that strays from me, whenever the will wants it

When I get exhausted and want it, it moves away from me
When I do without it, it curls up on me, judges, condemns and hunts

Time is a frivolous and indecisive lover, that holds and embarrasses
A sweet soul, that I find bitter if it discourages me
An abrupt rhythm, if it tries to please me in a hurry and I find myself slow
It is the sun when I am the cloud, transparent if I'm sludge or muddy waters

Time is a malady, a schism without support or healing
A platonic passion, suffered and insecure that endures
A stray love, an intense desire to search

With it I stretch myself, I dream and meditate
I get confused and I feel satisfied in an eternal offense

by Manuela Carneiro
 in "Lector"


Pedro of Santarém (15/30 Portuguese Women Poets)

Dear
girl
primitive
that I am
I was
and I will be

My
dear
girl
for you
sunflowers
are pretty
and turn

And
it is love
that moves
the sun
that moves
the sunflower

And
It is the sunflower
that moves
the sun

Dear
imperative
girl:
turn, sun
turn, sunflower

And
God
is
the sunflower

by Adília Lopes


The Music of Waiting (16/30 Portuguese Women Poets)

I put in the oven
An apple cake
Warmth and joy
In this afternoon.
Calories, you see,
Shape my body
They are garments,
They are reversals
They are cuddles.

I accumulate you in me
In pounds of flour,
Of sugar, of tenderness
of oppression

What I know is so far 
From what I feel
And the night is so deep
That I lie to myself
All the time
In every decision.

by Isabel Fraga
 in "A música das esperas"


The Girl with the Eyes the Color of the Sea (17/30 Portuguese Women Poets)

You draw yourself in the apple of the eyes the color of the sea.

That's what we called the canvas
Maybe it would be more accurate the girl with sea hair
But who wants blue (or green) hair and the eyes could be
just an error of genetics.
The girl plays with her eyes on the SEE, blue without being blue, just sea
and she paints colors, dances on stages - empty of SEE and feelings,
but where the smile still swells beyond the sea.

And, we changed.

The pathways looked at each other amazed not knowing the course,

and the routes fell short on the map of the heedless senses.
Poetry is an island she thought,
and it never feels, not even nostalgia,
just an amazement untranslatable in words.
After all
the palette has all the colors, has all the blues, has all shades,
but
it’s arranged without guilt, at the bottom of a sketch that you have forgotten,
just a sketch , nothing more relevant,
not even the poetry of your drawing in which appeared the girl with the eyes the color of the sea.

Or just ME

by Piedade Araújo Sol



War (18/30 Portuguese Women Poets)

They are my children. I conceived them in my womb.
I saw them arrive, in the afternoons, moved,
nuptial and shaken
of Life's union with the senses.

They were on my lap, sleepy.
I told them many legends and poems.
At times, they would ask for handcuffs.
I answered them: sea, stars and winds.

Some, the most daring, the craziest,
wanted the fight, the chaos, the war.
Others dreamed and woke up hoarse
from screaming against the walls on Earth.

They are my children. I conceived them in my womb.
Nine months of hope, moon to moon.

Great boats take them, slowly ...

by Natércia Freire
in “Liberta em Pedra”, 1964

Ode à Paz

Pela verdade, pelo riso, pela luz, pela beleza, 
Pelas aves que voam no olhar de uma criança, 
Pela limpeza do vento, pelos actos de pureza, 
Pela alegria, pelo vinho, pela música, pela dança, 
Pela branda melodia do rumor dos regatos, 

Pelo fulgor do estio, pelo azul do claro dia, 
Pelas flores que esmaltam os campos, pelo sossego dos pastos, 
Pela exactidão das rosas, pela Sabedoria, 
Pelas pérolas que gotejam dos olhos dos amantes, 
Pelos prodígios que são verdadeiros nos sonhos, 
Pelo amor, pela liberdade, pelas coisas radiantes, 
Pelos aromas maduros de suaves outonos, 
Pela futura manhã dos grandes transparentes, 
Pelas entranhas maternas e fecundas da terra, 
Pelas lágrimas das mães a quem nuvens sangrentas 
Arrebatam os filhos para a torpeza da guerra, 
Eu te conjuro ó paz, eu te invoco ó benigna, 
Ó Santa, ó talismã contra a indústria feroz. 
Com tuas mãos que abatem as bandeiras da ira, 
Com o teu esconjuro da bomba e do algoz, 
Abre as portas da História, 
deixa passar a Vida! 

de Natália Correia
in "Inéditos (1985/1990)"


Ser Poeta

Ser Poeta é ser mais alto, é ser maior 
Do que os homens! Morder como quem beija! 
É ser mendigo e dar como quem seja 
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! 

É ter de mil desejos o esplendor 
E não saber sequer que se deseja! 
É ter cá dentro um astro que flameja, 
É ter garras e asas de condor! 

É ter fome, é ter sede de Infinito! 
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim... 
É condensar o mundo num só grito! 

E é amar-te, assim, perdidamente... 
É seres alma e sangue e vida em mim 
E dizê-lo cantando a toda gente! 

de Florbela Espanca
in "Charneca em Flor"


Triste fado

Enfeito-me de sonhos cristalinos
Com as cores de um cândido anseio
Afundo os meus olhos cerrados
Nas águas turvas, onde me deito.

É ao fugir de mim, que permaneço
Numa quietude de andorinha,
Que procura o seu ninho...
Como se andasse perdida.

Quem traçou o meu destino?

Desconheço porque me devoro
Com a sôfrega eloquência
De quem se auto mutila!!!
Que tristeza me apedreja?

Não quero que ninguém me veja
Nem que alguém me encontre
enquanto andar perdida...
É o escuro que me ilumina!

Acaso pedi guarida?

Cansei de me procurar
assim... como quem tropeça
num lamaçal escorregadio
Nunca deixarei de sonhar...

É esse o meu triste fado!

de Vóny Ferreira


Mátria

Puxada pela cabeça, no reverso do
que tínhamos ensaiado, costuras
raspadas e cerzidas, na tentativa de
expelir um país em chamas onde o
Tecnocrata ternamente rege, ruge e cospe.

Pela clareira púrpura, os mesmos escrevem as
mesmas palavras nos mesmos jornais. Pátria,
puta hipócrita, porque falas de mim pelas costas?
Comprei o bilhete de regresso por engano.

by Susana Araújo
in "Dívida Soberana"


Pirata

Sou o único homem a bordo do meu barco.
Os outros são monstros que não falam,
Tigres e ursos que amarrei aos remos,
E o meu desprezo reina sobre o mar.

Gosto de uivar no vento com os mastros
E de me abrir na brisa com as velas,
E há momentos que são quase esquecimento
Numa doçura imensa de regresso.

A minha pátria é onde o vento passa,
A minha amada é onde os roseirais dão flor,
O meu desejo é o rastro que ficou das aves,
E nunca acordo deste sonho e nunca durmo.

de Sophia de Mello Breyner


Catacrese

Venho tomar banho
e passo pelas águas como quem passa
pelas mágoas. Nunca levo
muito tempo para sair.
Encontrei pássaros exilados
que me contaram as suas tristezas.
–Olhem para os meus filhos!
(digo eu)
Já trazem o novo Universo
num álbum de cromos estrangeiros.
E conhecem todos os heróis
que ainda ninguém conhece.

de Ana Clara Mendes Pinto
in REVISTA ARAUTO N.1, 1985, p. 16-19


Português Vulgar

O meu gato deixa-se ficar 
em casa, arejando o prato 
e o caixote das areias. Já não vai 
de cauda erguida contestar o domínio 
dos pedantes de raça, pelos 
quintais que restam. O meu gato 
é um português vulgar, um tigre 
doméstico dos que sabem caçar ratos e 
arreganhar dentes a ordens despóticas. Mas 
desistiu de tudo, desde os comícios nocturnos 
das traseiras até ao soberano desprezo 
pela ração enlatada, pelo mercantilismo 
veterinário ou pela subserviência dos cães 
vizinhos. Já falei deste gato 
noutro poema e da sua genealogia 
marinheira, embarcada nas antigas 
naus. Se o quiserem descobrir, leiam 
esse poema, num livro certamente difícil 
de encontrar. E quem procura hoje 
livros de poemas? Eu ainda procuro, 
nos olhos do meu gato, os 
dias maiores de Abril. 

de Inês Lourenço
in "Logros Consentidos"


Segredo

Não contes do meu
vestido
que tiro pela cabeça

nem que corro os
cortinados
para uma sombra mais espessa

Deixa que feche
o anel
em redor do teu pescoço
com as minhas longas
pernas
e a sombra do meu poço

Não contes do meu
novelo
nem da roca de fiar

nem o que faço
com eles
a fim de te ouvir gritar

de Maria Teresa Horta


DESINFERNO II

Caísse a montanha e do oiro o brilho
O meigo jardim abolisse a flor
A mãe desmoesse as carnes do filho
Por botão de vídeo se fizesse amor

O livro morresse, a obra parasse
Soasse a granizo o que era alegria
A porta do ar se calafetasse
Que eu de amor apenas ressuscitaria

de Luiza Neto Jorge


Como te contar?

Inquieta-me a lucidez de certas horas.
Como te contar? Tudo nelas é perfeito, 
e claro, e inabalável ... Até a dor!

A acomodação à realidade
põe-se a subir sorrateira pelo corpo
dos sonhos e dos desejos. Mata-os!

É perigoso viver desarmado 
na lucidez das horas. 
Quando menos se espera, morre-se!

Quero a minha lanterna sempre acesa,
Entrar com ela no inexprimível sossego
que precede a tempestade;

Escutar o respirar aflito do mundo
entre dois trovões, duas guerras, dois gritos, 
separados apenas por um fio;

Um espaço impreciso, o fio, entre o um e o dois, 
Espaço a que, só por ignorância, 
chamamos silêncio.

de Lídia Borges


Entristecem os sorrisos

De coração atado dentro da boca
Não sabem como dizer
Que nas mãos, talvez ainda coubesse o verde das colinas
E nos olhos, a razão de todas as nascentes
Mas a voz exangue é uma escarpa, uma vereda
De saliva quente em poeira azeda
E as sílabas são ruínas dos olhares poentes

Definham no chão, os sorrisos
Na rua só se encontram
Desertos imensos de palavras. 

de Maria João Martins


A corrida em círculos

I
O círculo é a forma eleita:
É ovo, é zero,
É ciclo, é ciência.
E toda a sapiência.

É o que está feito,
Perfeito e determinado,
É o que principia
No que está acabado.

II
A viagem que o meu ser empreende
Começa em mim,
E fora de mim,
Ainda a mim se prende.

A senda mais perigosa
Em nós se consumando,
Passamos a existência
Mil círculos concêntricos
Desenhando.

de Ana Hatherly 
in "As aparências", 1959


Não me perturbes

Não me perturbes.

Quero reclinar o meu peito no regaço da terra

descer num casulo de luz pairar como a bruma 
na urze calada e perfumada da serra.

E não perturbes o meu silêncio
que dorme nas folhas das minhas mãos.

Na criança adormecida em mim
ficam as pegadas na presença dos silêncios, 
nos diálogos e gestos escritos na areia polida 
das minhas palavras.
E não perturbes o meu silêncio
que dorme nas folhas das minhas mãos.
Não perturbes estas folhas que rodeiam o meu corpo 
povoando esta alma de música que ninguém ouve.
Não quero miscelâneas no meu poente.
Quero nascer os olhos em bocas de alegria.
Deixa ser-me criança, vestir de novo esta fantasia.

E não perturbes o meu sonho.
Quero adormecer a noite enganar a lua
morrer o passado nesta inquietação
desta 
chama
nua

by Manuela Barroso 
in "Eu poético"


tempo

O tempo é uma substância volátil, arredia e mole
Calma e inesperada, que se esvazia e enche como um balão ou fole
Uma substância vaga, desequilibrada e implexa, de alma inconstante
Que se dissipa e brota a qualquer instante

Assim, de mim se afasta se o procuro
Toca-me e arrebata-me, se dele me canso e me despeço
A mim se apega e em mim se enlaça quando lhe fujo
Enrola-me e envolve-me de amor quando não peço

O tempo é tudo o que urge quando sobeja
Tudo o que de mim se aparta, se acaso a vontade almeja

Quando me esfalfo e o quero, de mim se afasta
Quando dele prescindo, em mim se enrola, julga, condena e caça

O tempo é um amante frívolo e indeciso, que prende e embaraça
Uma alma doce, que descubro amarga se me desalenta
Um compasso brusco, se me apraz com pressa e me encontro lenta
É sol quando eu sou nuvem, transparente se sou lodo ou água turva

O tempo é uma maleita, uma cisma sem amparo ou cura
Uma paixão platónica, sofrida e insegura que perdura
Um amor desgarrado, uma intensa vontade de procura

Com ele me estendo, sonho e medito
Baralho-me e contento-me num eterno delito

de Manuela Carneiro
 in "Lector"





Pedro de Santarém

Querida
rapariga
primitiva
que eu sou
fui
e hei-de ser

Minha
querida
rapariga
para ti
os girassóis
são giros
e giram

E
é o amor
que move
o Sol
que move
o girassol

E
é o girassol
que move
o Sol

Querida
rapariga
imperativa:
gira, Sol
gira, girassol

E
Deus
é
o girassol

de Adília Lopes


A Música das Esperas

Ponho no forno
Um bolo de maçã
Calor e alegria
Nesta tarde.
Calorias, bem vês,
Moldam-me o corpo
São vestes,
São reversos
São afagos.

Acumulo-te em mim
Em quilos de farinha,
De açúcar, de ternura
De opressão

O que sei fica tão longe
Do que sinto
E a noite é tão profunda
Que me minto
A toda a hora
Em cada decisão.

de Isabel Fraga, 
in “A Música das Esperas”


A menina dos olhos cor de mar

Desenhas-te a menina dos olhos cor de mar.

Era assim que se chamava a tela
Talvez fosse mais correcto a menina dos cabelos de mar
Mas os cabelos não se querem azuis (ou verdes) e os olhos podem ser
apenas um erro de genética. 
A menina brinca com os olhos no VER, azul sem ser azul, apenas mar
e pinta cores, dança em palcos – vazios de VER e sentires,
mas onde o sorriso ainda se dilata para além do mar.

E, nós mudamos.

Os caminhos entreolharam-se espantados sem saber os rumos,

e as rotas ficaram aquém no mapa dos sentidos desatentos.
A poesia é uma ilha pensava ela,
e ela nunca sente sequer nostalgia,
apenas um espanto intraduzível em palavras.
Afinal
a paleta tem todas as cores, tem todos os azuis, tem todos os matizes,
mas,
está arrumada sem culpas, no fundo dum esboço que tu esqueceste,
esboço apenas, mais nada relevante,
nem a poesia do teu desenho em que figurava a menina dos olhos cor de mar.

Ou tão somente EU


de Piedade Araújo Sol





Guerra

São meus filhos. Gerei-os no meu ventre. 
Via-os chegar, às tardes, comovidos, 
nupciais e trementes 
do enlace da Vida com os sentidos. 

Estiveram no meu colo, sonolentos. 
Contei-lhes muitas lendas e poemas. 
Às vezes, perguntavam por algemas. 
Respondia-lhes: mar, astros e ventos. 

Alguns, os mais ousados, os mais loucos, 
desejavam a luta, o caos, a guerra. 
Outros sonhavam e acordavam roucos 
de gritar contra os muros que há na Terra. 

São meus filhos. Gerei-os no meu ventre. 
Nove meses de esperança, lua a lua. 

Grandes barcos os levam, lentamente...

de Natércia Freire
in “Liberta em Pedra” , 1964



Vens de noite no sonho
Vens de noite no sonho
sem pés
entre páginas
de gasta paciência
quando a música findou
e teu sorriso se desfez
como um grão de pólen.

Vens no veneno oculto
de meus dias
no silêncio
dos meus ossos
devagar
arrastando em queda
o nosso mundo.

Vens no espectro
da angústia
na escrita
inquieta
destes versos
no luto maternal
que me devolve a ti.

A escuridão desce então
sobre o meu corpo
quando o rosto da morte
adormece na almofada.

de Ana Marques Gastão
in "Nocturnos", 2002



Esta noite, o vento

Esta noite o vento ceifa os bosques e
uma raiva sacode a terra. Se a voz
do mar chamasse pelas velas, os estreitos
aguardariam um naufrágio. E se dissesses
o meu nome eu morreria de amor.

Devo, por isso, afastar-me de ti – não
por ter medo de morrer (que é de já não
o ter que tenho medo), mas porque a chuva
que devora as esquinas é a única canção
que se ouve esta noite sobre o teu silêncio.

de Maria do Rosário Pedreira
in "O Canto do Vento nos Ciprestes", 2001



Carta à Minha Filha
Lembras-te de dizer que a vida era uma fila? 
Eras pequena e o cabelo mais claro, 
mas os olhos iguais. Na metáfora dada 
pela infância, perguntavas do espanto 
da morte e do nascer, e de quem se seguia 
e porque se seguia, ou da total ausência 
de razão nessa cadeia em sonho de novelo. 

Hoje, nesta noite tão quente rompendo-se 
de junho, o teu cabelo claro mais escuro, 
queria contar-te que a vida é também isso: 
uma fila no espaço, uma fila no tempo 
e que o teu tempo ao meu se seguirá. 

Num estilo que gostava, esse de um homem 
que um dia lembrou Goya numa carta a seus 
filhos, queria dizer-te que a vida é também 
isto: uma espingarda às vezes carregada 
(como dizia uma mulher sozinha, mas grande 
de jardim). Mostrar-te leite-creme, deixar-te 
testamentos, falar-te de tigelas - é sempre 
olhar-te amor. Mas é também desordenar-te à 
vida, entrincheirar-te, e a mim, em fila descontínua 
de mentiras, em carinho de verso. 

E o que queria dizer-te é dos nexos da vida, 
de quem a habita para além do ar. 
E que o respeito inteiro e infinito 
não precisa de vir depois do amor. 
Nem antes. Que as filas só são úteis 
como formas de olhar, maneiras de ordenar 
o nosso espanto, mas que é possível pontos 
paralelos, espelhos e não janelas. 

E que tudo está bem e é bom: fila ou 
novelo, duas cabeças tais num corpo só, 
ou um dragão sem fogo, ou unicórnio 
ameaçando chamas muito vivas. 
Como o cabelo claro que tinhas nessa altura 
se transformou castanho, ainda claro, 
e a metáfora feita pela infância 
se revelou tão boa no poema. Se revela 
tão útil para falar da vida, essa que, 
sem tigelas, intactas ou partidas, continua 
a ser boa, mesmo que em dissonância de novelo. 

Não sei que te dirão num futuro mais perto, 
se quem assim habita os espaços das vidas 
tem olhos de gigante ou chifres monstruosos. 
Porque te amo, queria-te um antídoto 
igual a elixir, que te fizesse grande 
de repente, voando, como fada, sobre a fila. 
Mas por te amar, não posso fazer isso, 
e nesta noite quente a rasgar junho, 
quero dizer-te da fila e do novelo 
e das formas de amar todas diversas, 
mas feitas de pequenos sons de espanto, 
se o justo e o humano aí se abraçam. 

A vida, minha filha, pode ser 
de metáfora outra: uma língua de fogo; 
uma camisa branca da cor do pesadelo. 
Mas também esse bolbo que me deste, 
e que agora floriu, passado um ano. 
Porque houve terra, alguma água leve, 
e uma varanda a libertar-lhe os passos. 

de Ana Luísa Amaral
in "Imagias (Um pouco só de Goya: Carta a minha Filha)"



Luxúria

Sente a virtude da nudez
na poesia da pele, licita natura em êxtase
 
toca- a no desejo que a toma
e desce pelo abismo tremente do beijo
secreta volúpia que suspira e perdura
 
toma-a, ou toma o que dela se te oferece
e qual carícia em seus cabelos acolhida
serás vertigem num rosto sem cor.
 
derrama teu sufoco mulher e sacia a fome
neste teu sem nome
oferta mais singela
 que ao olhar se não revela
 
e tuas mãos irmãs no delíquio dos anseios
colhem nuvens de beijos
compondo no céu o adiamento da espera.
 
Quem sabe do teu rosto para a censura
o fogo da luxúria a chama do entardecer?
 
Tal é o segredo no clamor da carne
mas nas vestes da pintura és seda és sede
veemente apelo de amor.
 
de Bernardete Costa



A minha pátria

“A pátria é um percurso” - José Eduardo Agualusa

A minha pátria está fora de mim
num lugar algum por encontrar
onde serei no infinito
o que hoje acrescento ao meu olhar.
A minha pátria tem traços de meus pais
e a cidadania do impossível
do passado guardou o sabor
e o lirismo das esperanças.
A minha pátria é o lugar
onde no momento encerro
na paz do impossível
as dobras dos meus eus
e de todos que hão-de vir.
A minha pátria é um círculo
nunca fechado
onde acolho a utopia
e me afogo no amor dos que afago.
A minha pátria é este pequeno país
e ainda todos os lugares onde sobrevive
a insistente crença de voltar.
A minha pátria é esta gente
e aqueles todos que me falta cruzar.
A minha pátria é uma ilusão
que a fadiga acrescenta às horas
e no minuto o tempo descarta.

de Helena Faria Monteiro



A Canção Possível

Poderei ainda, amor, cantar
o exercício da insuportável ternura
sem que a vida sucumba
às cicatrizes do passado?


Por mais que digamos,
as nossas bocas morrendo uma na outra,
entre espasmos,
ainda a rosa é pálida
e os nossos dedos não passarão de mendigos
que se tocam na espuma dos dias.

Por mais que digamos,
as palavras jamais saberão o caminho
que lhes é devido,
o caminho das flores do silêncio
esse o único que salva o amor,
cravando-o na boca de Deus.

É noite, ainda, meu amor,
e a lua vem beijar-te os ombros
o teu corpo procura o lugar do meu,
como se nenhum outro coubesse dentro dele
antigo como a noite.

E os dedos serão ainda em torno da luz,
buscando a chama, o fruto,
a ferida que as tuas palavras
rasgaram no meu corpo
em volta dessa insuportável ternura.

de Maria João Cantinho



Terra

Parece que saíram de mim
Estas espigas
Tão quentes se me apresentam
Tão quentes se me oferecem
Estas papoilas
Do ventre desta terra
Quente e doce
Altivos sobreiros
Oliveiras prenhes de azeite
Que nos alimenta e alumia
Vida que a terra nos dá ...

Chão

O campo entra pela casa
Como se a casa
De chão de terra batida
Do campo fizesse parte
E faz
A casa é recorte
No campo
Só as parede brancas
Separam um de outro chão

Aves do Sul

Somos as aves do Sul
Procurando um novo rumo
Saindo da nossa terra
Indo embora daqui
Acabamos por voltar
Um dia mais tarde
Por vezes tarde demais
Gastamos lá longe a vida
E não há duas vidas iguais

de Belmira Besuga
 in «Alentejo até aqui»



A mão torturada por um olhar

Somos duas chamas ardentes,
somos duas estrelas cadentes.
Somos como cão e gato,
como um ser inadaptado
com vontade de viver
e condenados a amar.
A mão torturada por um olhar
um lírio e uma margarida
amando-se, sem deixar de
abrir a cúpula de uma ferida
sentida e de vida sofrida.
No entanto, a sereia canta como
lira de Orfeu para aliviar
a alma do seu amor ateu...

de Tília Ramos



Quase tudo foi escrito

quase tudo foi escrito é certo 
grandes homens o fizeram muito antes 
e da melhor maneira 
mesmo assim surpreende-me o milagre da luz nos dedos 
na escrita contínua da areia 
precipitando mares impossíveis 
e asteróides em chama 

pela imprevisibilidade 
acho ser possível acrescentar ou suprimir uma vírgula 
ao lugar vazio do texto 
ou retirar talvez algum ponto de interrogaçao ao deserto 
onde navegamos em frágeis barcos de sombra 

é ainda razoável 
cantarmos a solidão juntos 
 
e todavia tudo isto 
não deve durar mais do que um instante

de Maria Azenha
in "O mar atinge-nos"



o tempo dos barcos

enquanto bordas o tempo dos barcos
constróis a casa com a luz pequena.
nos sonos longos, és tu que anoiteces.
colhes a curva de um rosto,
com clareza
teces a alma vã da firmeza 
nos colos finos, na lâmina dos rios.
ó doce pescador, madrugada que fosse
a foice dos meus poemas,
dá-me os pássaros alinhados
as minhas penas.
ó cegas torres de marfim,
na excentricidade vagabunda da fadiga
começa o meu fim.

de Maria Gomes



E o mês de Abril

e o pasmo sobre as flores
finadas já do meu porvir
antes do maio do que me resta
é em abril que um olhar glauco
meu
se pousa em mim e nas coisas
e um pasmo ressentido me devolve
ao maio de flores finadas
de flores por vir
a um abril de verdes aflorados
pressentidos só
de um maio já chegado
pasmado agora
de sensações verdes nos meus sentidos
é abril e eu resto
de presentes entremeados
ou espaços de mordaça
em maios que se me escapam

de Conceição Ramos Lopes



No táxi em que morreu na cidade do México 
aos quarenta e cinco anos de idade

1.
É mais noite que ela vê do que outra coisa
do lado de lá do vidro turvo do táxi
Prédios ou barcos?
Comboios
estações vazias onde ninguém pára
Do outro lado do vidro turvo do táxi
corre um cais
Corre enquanto dorme
o cais
Foi ali o grito
naquela esquina
Ou é um mastro?
Ele caiu com mais peso do que tinha.
Terei bebido demais?
Tequilha.
(...)
5.
O coração não aguentou.
Uma noite
o coração dela parou
dentro dum táxi
é o que vão dizer
Nem todos
há sempre gente que desconfia
das mortes simples como esta
com causas naturais
por hábito por profissão pelo modo de viver que arranjaram
e também de tantas vidas que foram tendo pelos anos fora.
Havia sempre falta de luz em Berlim
e a falta de luz turvava as imagens.
O motorista disse
Chegámos, são tantos pesos.
Não quer sair?
Pesavam-lhe as pernas de pedra à entrada da galeria de tótens
e havia um ídolo que não chegaria a ser fotografado
não entraria portanto na imensa reportagem que fizemos
pai, filho e amante do pai
ao fundo das terras e dos tempos
durante meses
de camioneta em camioneta, de pensão em pensão
sem horário.

Cai-lhe da mão a fotografia que se chamou 
La Tecnica
uma máquina de escrever.
Escorre-lhe como um filme a vida
naquele segundo exacto em que a imobilidade se instala.
Cabe-lhe num segundo a vida inteira
nomes
tantos nomes
terras, amigos, navios, estações, companheiros, lugares, máquinas, comboios,
camaradas
cronologia sem falhas, geografia precisa
Sempre ouviu dizer que assim seria
da boca dos que tinham acabado por escapar.
Talvez eu escape também.
Morreu ontem à noite num táxi a ex-fotógrafa italiana Tina Modotti.
Taquicardia ou pistola?
Um enjoo, uma agonia.
Veneno? Enfarte?
(...)

de Eduarda Dionísio
in "Tina M. Provas de Contacto, & etc", 2001



Amnésia

Posso pedir, em vão, a luz de mil estrelas:
penas obtenho este desenho pardo
que a lâmpada de vinte e cinco velas
estende no meu quarto.

Posso pedir, em vão, a melodia, a cor
e uma satisfação imediata e firme:
(a lúbrica face do despertador
é quem me prende e oprime).

E peço, em vão, uma palavra exata,
uma fórmula sonora que resuma
este desespero de não esperar nada,
esta esperança real em coisa alguma.

E nada consigo, por muito que peça!
E tamanha ambição de nada vale!
Que eu fui deusa e tive uma amnésia,
esqueci quem era e acordei mortal.

de Fernanda Botelho



Nada tão silencioso como o tempo

Nada tão silencioso como o tempo
no interior do corpo. Porque ele passa
com um rumor nas pedras que nos cobrem,
e pelo sonoro desalinho de algumas árvores
que são os nossos cabelos imaginários.
Até nas íris dos olhos o tempo
faz estalar faíscas de luz breve.

Só no interior sem nome do nosso corpo
ou esfera húmida de algum astro
ignoto, numa órbita apartada,
o tempo caladamente persegue
o sangue que se esvai sem som.
Entre o princípio e o fim vem corroer
as vísceras, que ocultamos como a Terra.

Trilam os lábios nossos, à semelhança
das musicais manhãs dos pássaros.
Mesmo os ouvidos cantam até à noite
ouvindo o amor de cada dia.
A pele escorre pelo corpo, com o seu correr
de água, e as lágrimas da angústia
são estridentes quando buscam o eco.

Mas não sentimos dentro do coração que somos
filhos dilectos do tempo e que, se hoje amamos,
foi depois de termos amado ontem.
O tempo é silencioso e enigmático
imerso no denso calor do ventre.
Guardado no silêncio mais espesso,
o tempo faz e desfaz a vida.

de Fiama Hasse Pais Brandão
in "Cenas vivas", 2000



Um novelo de rimas imperfeitas

De rosto em rosto, a caligrafia do amor
implorou a memória das palavras encantadas
e, como se houvesse uma linguagem
de atravessar o tempo, acenderam,
sobre os dias, constelações sonoras.
Mas eu, que não adiro aos calendários,
nem acredito em vogais prometidas,
eu parti, de punhos febris,
enlaçando nos braços
um futuro marginal a qualquer lógica.
A posse da noite, onde me quero lua
em todas as fases, leva-me a glosar os medos
num novelo de rimas imperfeitas.
A cidade tem pombas
que me perseguem sem eu dar por isso.
Tenho um aqueduto modelado nos olhos
e um dilúvio vermelho no desenho do peito.

de Graça Pires
in "De Conjugar afectos", 1997



Anoitece em Inferno a Minha Casa

Anoitece em inferno a minha casa. 
Fico com este começo de verso 
a serenar a exaltação de não dizer nada. 
Deixem-me com este sorriso a morrer 
por uma sílaba mais real onde um verso 
me sossegue 
com unhas de lama e sangue, 
como garras. 
Anoitece em inferno a minha casa. 
Fica a certeza de não ter fim o que 
de inutilidades se basta, 
ou apenas o instante em que, 
por um verso, eu fui 
à outra parte da casa. 

de Helga Moreira
in "Os Dias Todos Assim"



Conclusão

Fui amante da morte 
e da beleza. Vi a loucura, 
acreditei na vida. 
Da infância falei 
como lugar de abismo. 
O prazer 
foi também a grande fonte 
de perturbação e alegria. 
Lembrei as mulheres 
que recusaram submeter-se, 
escrevi palavras fúnebres. 

Não poupei a adolescência, 
o coração magoado 
e não soube que fazer 
de mim fora das palavras. 
Escrevi para desistir 
e depender 
e ter identidade. 

de Isabel de Sá, 
in "Erosão de Sentimentos" 



Podes Ter os Amores que Quiseres...

Podes dizer que me não amas, 
sim, podes dizê-lo, 
e o mundo acreditar, 
porque só eu saberei 
que mentes! 

Eu estou na tua alma 
como a flama 
que devora sob a cinza 
as brasas dormentes... 

Não creias no remorso 
- o remorso não existe! 
O que tu sentes 
e o que em ti subsiste, 
são o rubor da minha ternura 
e a chama do meu amor 
que em ti 
nunca foram ausentes!... 

Não julgues, não, que me esqueceste, 
porque mentes a ti mesmo 
se o disseres… 
Podes ter os amores que quiseres, 
que o teu amor por mim, 
como uma dor latente e compungida, 
há-de acompanhar sempre 
a tua e a minha vida! 

de Judith Teixeira
in "Fevereiro - Sol Posto"



Apelo

Atravessa os campos da noite
e vem.

A minha pele
ainda cálida de sol
te será margem.

Nas fontes, vivas,
do meu corpo
saciarás a tua sede.

Os ramos dos meus braços
serão sombra rumorejante
ao teu sono, exausto.

Atravessa os campos da noite
e vem.

de Luísa Dacosta
in "Cem  Poemas Portugueses no Feminino"



Tudo de pernas para o ar

Numa noite escura, escura,
o sol brilhava no céu.
Subi pela rua abaixo,
vestido de corpo ao léu.

Fui cair dentro de um poço
mais alto que a chaminé,
vi peixes a beber pão,
rãs a comerem café.

Construi a minha casa
com o telhado no chão
e a porta bem no cimo
para lá entrar de avião.

Na escola daquela terra
ensinavam trinta burros.
O professor aprendia
a dar coices e dar zurros.

de Luísa Ducla Soares
in "Poemas da Mentira e da Verdade"



Pai, Dizem-me que Ainda Te Chamo

Pai, dizem-me que ainda te chamo, às vezes, durante 
o sono - a ausência não te apaga como a bruma 
sossega, ao entardecer, o gume das esquinas. Há nos 
meus sonhos um território suspenso de toda a dor, 
um país de verão aonde não chegam as guinadas 
da morte e todas as conchas da praia trazem pérola. Aí 

nos encontramos, para dizermos um ao outro aquilo 
que pensámos ter, afinal, a vida toda para dizer; aí te 
chamo, quando a luz me cega na lâmina do mar, com 
lábios que se movem como serpentes, mas sem nenhum 
ruído que envenene as palavras: pai, pai. Contam-me 

depois que é deste lado da noite que me ouvem gritar 
e que por isso me libertam bruscamente do cativeiro 
escuro desse sonho. Não sabem 

que o pesadelo é a vida onde já não posso dizer o teu 
nome - porque a memória é uma fogueira dentro 
das mãos e tu onde estás também não me respondes. 

de Maria do Rosário Pedreira, 
in "Nenhum Nome Depois"



Saber esperar alguém

Não há mais sublime sedução do que saber esperar alguém.
Compor o corpo, os objectos em sua função, sejam eles
A boca, os olhos, ou os lábios. Treinar-se a respirar
Florescentemente. Sorrir pelo ângulo da malícia.
Aspergir de solução libidinal os corredores e a porta.
Velar as janelas com um suspiro próprio. Conceder
Às cortinas o dom de sombrear. Pegar então num
Objecto contundente e amaciá-lo com a cor. Rasgar
Num livro uma página estrategicamente aberta.
Entregar-se a espaços vacilantes. Ficar na dureza
Firme. Conter. Arrancar ao meu sexo de ler a palavra
Que te quer. Soprá-la para dentro de ti -------------------
----------------------------- até que a dor alegre recomece.

de Maria Gabriela Llansol
in "O começo de um livro é precioso", 2003



Cristais…

Inundada
de mar
diz-me se sou feliz
antes que o descubra
tarde de mais.

de Maria José Meireles



As portas que batem…

As portas que batem 
nas casas que esperam.
Os olhos que passam
sem verem quem está.
O talvez um dia
Aos que desesperam.
O seguir em frente.
O não se me dá.
O fechar os olhos
a quem nos olhou.
O não querer ouvir
quem nos quer dizer.
O não reparar
que nada ficou.
Seguir sempre em frente
E nem perceber.

de Maria Judite de Carvalho



Arte Poética

Gostaria de começar com uma pergunta
ou então com o simples facto
das rosas que daqui se vêem
entrarem no poema.

O que é então o poema?
um tecido de orifícios por onde entra o corpo
sentado à mesa e o modo
como as rosas me espreitam da janela?

Lá fora um jardineiro trabalha,
uma criança corre, uma gota de orvalho
acaba de evaporar-se e a humidade do ar
não entra no poema.

Amanhã estará murcha aquela rosa:
poderá escolher o epitáfio, a mão que a sepulte
e depois entrar num canteiro do poema,
enquanto um botão abre em verso livre
lá fora onde pulsa o rumor do dia.

O que são as rosas dentro e fora
do poema? Onde estou eu no verso em que 
a criança se atirou ao chão cansada de correr?
E são horas do almoço do jardineiro!
Como se fosse indiferente a gota de orvalho
ter ou não entrado no poema!


de Rosa Alice Branco
in "Soletrar o Dia. Obra Poética", 2002



Beijo a Beijo

E de novo a armadilha dos abraços. 
E de novo o enredo das delícias. 
O rouco da garganta, os pés descalços 
a pele alucinada de carícias. 
As preces, os segredos, as risadas 
no altar esplendoroso das ofertas. 
De novo beijo a beijo as madrugadas 
de novo seio a seio as descobertas. 
Alcandorada no teu corpo imenso 
teço um colar de gritos e silêncios 
a ecoar no som dos precipícios. 
E tudo o que me dás eu te devolvo. 
E fazemos de novo, sempre novo 
o amor total dos deuses e dos bichos. 

de Rosa Lobato Faria
in "Dispersos"












Comments