Vocabulário de Opressão, Repressão e Supresão

Oprimir significa injustamente subjugar ou submeter alguém, sobrecarregando com imposições ou restrições cruéis, através de força, autoridade ou poder. Já reprimir significa reter, coibir ou controlar (desejos, sentimentos, ações, movimentos, etc.) pela força. Por outro lado, suprimir, que é mais amplo e mais comum, significa usar a força ou autoridade para pôr termo às atividades de uma pessoa ou grupo; também para abolir, inibir, extinguir práticas ou costumes, ou ainda, para reter a divulgação ou da publicação de informação.
Não há dúvida que há algumas sobreposições entre estes verbos, mas a opressão geralmente aplica-se ao maltrato de uma pessoa ou grupo por outro mais poderoso, enquanto que repressão geralmente aplica-se a impulsos violentos para esmagar movimentos políticos, e já a supressão aplica-se à informação.

A


Apropriação Cultura é a adoção de símbolos, costumes, padrões estéticos e/ou comportamentos de uma cultura ou subcultura por outra - geralmente de uma cultura minoritária ou subordinada em status social, político, económico ou militar. A apropriação acontece com frequência sem qualquer compreensão real do que foi apropriado nem dos seus significados. Muitas vezes os artefactos, práticas ou crenças culturalmente significativas são comodificados e comercializados completamente desprovidos do seu sentido ou dando-lhes um significado completamente diferente do original.

B

C

Capacitismo é uma forma de opressão, que produz barreiras sociais e físicas, baseada nas habilidades (mentais, intelectuais, emocionais e/ou físicas) de uma pessoa. Assim, descreve a discriminação de pessoas com deficiências devido à noção de que estas pessoas são inferiores. Estas pessoas são sujeitas a estigma social, a isolamento, a barreiras sistêmicas a recursos, e são ainda alvo de violência, opressão ativa (insultos, considerações negativas, arquitetura inacessível) e opressão passiva (tratamento de pena, de inferioridade ou subalternidade).

Classismo, ou discriminação baseada na classe social, acontece quando alguém é tratado de forma diferente – tanto melhor quanto pior - por causa de sua classe social (ou da classe que a pessoa aparenta). O classismo aparece individualmente (através de atitudes e comportamentos), institucionalmente (através de políticas e práticas), e culturalmente (através de normas e valores). Como outras formas de opressão e preconceito, é a tendência para fazer generalizações ou criar estereótipos sobre os membros de outra classe.

Colorismo é um termo que foi primeiro usado pela escritora norte-americana Alice Walker em 1982, e não é sinónimo de racismo. Refere-se a  uma forma de preconceito ou discriminação que os indivíduos sofrem de acordo com o tom da cor ou da pigmentação da sua pele, e em que a preferência pela pele mais clara é a prática comum. Enquanto que o racismo procura identificar uma raça para discriminar o grupo, o colorismo é vivido de forma individual e o tratamento preconceituoso ou preferencial pode vir de pessoas da mesma raça baseado unicamente na cor mais clara ou mais escura da pele.

D

E

Etnocentrismo é o julgamento de outra cultura (da língua, comportamento, costumes, religião etc.) unicamente pelos valores e padrões da nossa própria cultura. É uma visão em que a nossa comunidade é o centro de tudo, e todas as outras são medidas e classificadas em relação a ela. O etnocentrismo pode ser explícito ou subtil e, apesar de ser considerado uma tendência natural da psicologia humana, tem geralmente uma conotação negativa.

F

G

H

Heterossexualismo é um sistema de opressão que produz barreiras sociais e físicas baseadas na orientação sexual e/ou romântica de indivíduos, em particular dos que questionam a sua sexualidade, lésbicas, bissexuais, queer, pansexuais, transgénero, gays, sem rótulo ou que se identificam de alguma outra forma que não seja heterossexual. Heterosexismo depende do binário de heterossexual/homossexual, tornando invisível o vasto espectro e a fluidez da orientação sexual e romântica. Reforça e é reforçado pelo binário de género.

Homonormatividade é uma visão de que a homossexualidade (e, por extensão, quaisquer sexualidade e/ou géneros alternativos) é preferível à heterossexualidade. É uma visão que encontramos em algumas estruturas capitalistas, coloniais, e imperialistas, onde as elites gays e lésbicas começam a gozar de uma igualdade duramente conquistada (ao nível do casamento gay, adoções, acesso a serviços de saúde, proteção no ambiente de trabalho e outras proteções legais), e onde se cruzam formas de discriminação contra os deficientes, classismo, sexismo, racismo e muitas outras formas de opressão.

I

Idadismo é o tratamento discriminatório baseado na idade de uma pessoa. É muitas vezes chamado de discriminação de idade. Embora o idadismo seja visto frequentemente como um problema do local de trabalho, na realidade, além das perspetivas de emprego, pode ter efeitos ao nível da autoestima, na situação financeira com a negação de crédito, na qualidade dos serviços que recebe e na qualidade de vida. Esta forma de discriminação inclui ainda a forma como os idosos estão representados nos meios de comunicação, e que tem um impacto mais amplo nas atitudes da população em geral.

J

K

L

M

N

O

P

Pigmentocracia ver colorismo.

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y


Z
Comments